Cartão Reforma deve dar impulso à construção civil
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a dizer que o País está vivendo um momento importante de recuperação na economia.
Foto: Divulgação
Cartão Reforma deve dar impulso à construção civil
Ele repetiu que o Brasil superou a maior recessão da história e está crescendo desde o começo do ano. \"Com a mudança do governo no ano passado começamos a ter a recuperação da economia que se consolidou a partir do primeiro trimestre deste ano\", afirmou, em cerimônia na qual o presidente Michel Temer realizou a entrega simbólica dos primeiros Cartões Reforma. \"O Brasil é um paciente que já saiu da UTI e não corre mais riscos\", completou.

Ele lembrou que é normal que alguns segmentos cresçam primeiro que outros e ressaltou que é importante que o governo avalie medidas setoriais de estímulo voltadas para os segmentos que ainda não retomaram a atividade.

Meirelles destacou que o setor agrícola está saudável e tem ganhos de produtividade. Ele citou também boa parte dos segmentos de serviços, que apresentam recuperação. \"O consumo das famílias mostra resultados muito bons, inclusive na compra de duráveis, que é um investimento feito pelo consumidores. Sendo assim, as vendas de duráveis é um ótimo indicador de confiança\", avaliou.

Já sobre os investimentos, o ministro apontou que os investimentos em máquinas e equipamentos vão bem, mas ponderou que os investimentos na construção civil ainda não se recuperaram. \"É normal que demore um pouco mais, mas temos que olhar o setor da construção com atenção, porque é um setor que gera muitos empregos e constrói moradias\", acrescentou.

Segundo Meirelles, o governo tem atuado em diversas frentes para estimular o setor da construção, inclusive no crédito. \"O Cartão Reforma se insere neste trabalho do governo de impulso à construção civil e tem um componente fortíssimo social. O programa beneficia as camadas que de fato precisam dessa ajuda e, desta forma contribui para a melhoria da distribuição de renda\", acrescentou.

FONTE: O Povo